Tudo sobre direção defensiva

Acidentes de trânsito são sempre desagradáveis, em alguns casos podem trazer grande prejuízo financeiro ou até causar ferimentos e mortes entre os envolvidos. Assim, é essencial adotar a direção defensiva, conduzindo o veículo com atenção constante.

Afinal, muitos perigos podem aparecer na estrada, sejam de condições adversas ou oriundas da imprudência. Por isso, é preciso que cada condutor tome precauções para garantir sua segurança, de sua família e dos outros usuários das vias.

Quer saber como? Então confira este post e tire todas as suas dúvidas sobre como se comportar defensivamente no trânsito!

O conceito de direção defensiva

direção defensiva é uma forma de conduzir o veículo de modo a evitar ao máximo as situações de risco ou reduzir suas consequências. Tendo em vista que 90% dos acidentes são causados por falhas humanas, este tipo de prática auxilia o condutor a dirigir com cautela, o que melhora sua capacidade de reagir às circunstâncias perigosas.

A seguir, abordaremos as cinco competências da direção defensiva.

Conhecimento

É preciso conhecimento acerca da legislação de trânsito, especificamente do Código de Trânsito Brasileiro – CTB, que estabelece direitos e deveres de cada usuário das vias. Além disso, são necessários outros conhecimentos como em manutenção do veículo e em atitudes seguras e de prevenção no trânsito.

Atenção

A atenção do motorista deve ser total e constante, abrangendo as condições da via, as mudanças no tempo, a conservação do automóvel e as atitudes de outros usuários. Qualquer coisa que o distraia deve ser evitada, como rádio, conversas e especialmente o celular.

Também é necessário ter atenção ao seu caminho para que não haja movimentos bruscos. Outra preocupação deve ser com as próprias condições físicas e psicológicas para dirigir.

Previsão

A previsão é a capacidade de planejar-se para situações de risco e de antever os problemas no trânsito. Ou seja, é preciso estar preparado para uma falha mecânica, rodar com combustível suficiente e planejar suas paradas. Também se deve pressupor as atitudes dos outros usuários, de forma a manter uma posição segura em relação a eles.

Decisão

Ao encarar um imprevisto, é preciso que o condutor esteja preparado para tomar decisões acertadas, levando em consideração diversos fatores. São eles:

  • As condições e capacidade do veículo;
  • O autoconhecimento;
  • As leis e normas regulamentares do trânsito;
  • O tempo e espaço disponíveis para a manobra;
  • As atitudes dos outros usuários.

Habilidade

A habilidade refere-se à capacidade do motorista em utilizar os acessórios do automóvel para realizar as manobras necessárias.

direção defensiva, portanto, é um conjunto de técnicas para diminuir a probabilidade de acidentes e seus danos. É, também, uma forma de direção econômica, pois diminui a quantidade de frenagens e acelerações, e ajuda na conservação do veículo.

Mas para prevenir os acidentes com eficiência, é preciso saber quais são suas principais causas. Por isso, siga sua leitura, porque no tópico seguinte falaremos sobre isso.

As 4 principais causas de acidentes de trânsito

Como vimos, a maior parte dos acidentes é causada por falhas humanas, dividindo-se em três motivações básicas: negligência, imprudência e imperícia. Outra parcela menor é oriunda de problemas nas vias e dificuldades ocasionadas pela natureza. São as chamadas condições adversas.

Abaixo, falaremos um pouco sobre cada uma dessas principais causas de acidentes. Confira!

  1. Negligência

A negligência acontece quando o condutor, por descuido, deixa de tomar atitudes para prevenir acidentes, como adotar a direção defensiva e cuidar da manutenção preventiva de seu veículo.

Também é parte da negligência a falta dos cuidados adequados com a segurança dos passageiros ou com o transporte da carga, que pode acarretar imprevistos durante uma viagem.

  1. Imprudência

A imprudência se refere à falta de obediência às leis de trânsito, à opção pela condução ofensiva e a toda atitude que coloque em risco a sua segurança e a dos outros usuários da via.

A imprudência é muito comum no Brasil, mesmo com o endurecimento das penalidades para as infrações de trânsito, havendo muitos casos de ultrapassagens perigosas, excessos de velocidade e conversões proibidas, por exemplo.

  1. Imperícia

É a falta de habilidade para manter uma direção segura e para reagir a imprevistos em contextos de risco. A imperícia, portanto, é representada pelos erros causados por inexperiência ou desconhecimento do veículo, das vias, do tráfego e das boas práticas para sair de situações de emergência.

  1. Condições adversas

As condições adversas dizem respeito às situações imprevistas ou diferenciadas que um motorista pode encontrar em seu caminho ou vivenciar enquanto dirige. Elas podem se referir às condições do tempo, do próprio condutor, das vias e de luz.

As condições adversas sozinhas, porém, dificilmente causam um acidente. Via de regra, estão associadas a alguma falha humana. Por isso, é importante saber lidar com elas para evitar problemas maiores.

Nos próximos tópicos falaremos sobre as mais comuns e daremos dicas de direção defensiva para cada uma delas. Não deixe de ler!

A direção defensiva em condições adversas de tempo

As condições adversas de tempo são as ocasionadas pelo clima e pela natureza, modificando as características da via, de visibilidade e de estabilidade do veículo. Por esses motivos, elas exigem maior prudência e a adoção de atitudes específicas para cada caso. Veja quais são!

Chuva

Com chuva, a visibilidade de todos é prejudicada e as ações de motoristas, pedestres e ciclistas ficam menos previsíveis. Além disso, no início da precipitação, a água mistura-se ao óleo e a outros detritos na pista, deixando-a escorregadia. Por isso, deve-se diminuir a velocidade, ligar o farol baixo e aumentar as distâncias de segurança.

Em temporais, a água pode ficar entre os pneus e o asfalto, fazendo-os perderem aderência. É a chamada aquaplanagem. Para evitá-la, ande mais devagar e observe se o veículo da frente está deixando trilhas. Esse é um indicativo de que sua velocidade é segura. Se o carro perder estabilidade, desacelere gradativamente e mantenha o volante firme na direção da via.

Não enfrente áreas alagadas, pois a água pode entrar no motor e fazer o carro parar. Se não for possível esperar, só passe se o nível estiver até metade dos pneus. Mantenha uma aceleração constante e velocidade baixa, já que pode haver obstáculos escondidos que danificam o veículo.

Granizo

O granizo pode danificar o para-brisa e, dependendo do tamanho das pedras, causar impactos que assustam. Portanto, a primeira atitude é reduzir a velocidade e manter o farol baixo ligado. Em seguida, procure um local seguro para se abrigar, sempre sinalizando com a seta as suas intenções.

Vento

O vento forte pode causar instabilidade no veículo. Nas estradas, ventanias são mais comuns, ao mesmo tempo em que as velocidades altas já tornam os carros menos estáveis.

Por isso, observe a vegetação nas margens da pista para verificar as condições de vento. Caso perceba dificuldades ao volante, reduza a velocidade até sentir que o carro está sob controle novamente.

Neblina ou fumaça

Sob neblina ou fumaça de queimadas, ligue o farol baixo e o farol de neblina, se houver, e reduza a velocidade, tomando uma distância segura do veículo da frente. Siga o fluxo e mantenha-se em uma mesma faixa.

Somente acione o pisca-alerta se o trânsito parar. Também não se deve ligar o farol alto, pois ele reflete nas gotículas de água ou fuligem e diminui sua visibilidade.

Se não sentir segurança para continuar, pare em um posto de combustível ou outro local seguro. Por conta da visibilidade comprometida, a recomendação é utilizar os acostamentos somente em último caso.

Geada

A geada forma uma camada fina de gelo na pista, tornando-a escorregadia. Nesse caso, deixe o carro engatado, tire o pé do acelerador e gire o volante calmamente para a direção desejada. Não pise nos freios, pois a derrapagem será pior. Ao retomar o controle, dirija o mais devagar possível. Quando puder, saia da pista e espere o gelo derreter.

Mesmo com as condições do tempo favoráveis, o motorista também pode representar um perigo para si mesmo e para os outros, ao dirigir com problemas. Siga para o tópico seguinte, pois falaremos de como agir nessas circunstâncias.

A direção defensiva em condições adversas do condutor

Um automóvel é uma máquina capaz de atingir velocidades grandes e, por isso, o motorista precisa estar apto a manter as cinco competências da direção defensiva. As condições adversas do condutor, no entanto, são alterações em seu estado físico, psicológico ou emocional que influenciam na sua capacidade de concentração, de ação e de reação.

Portanto, se você se encontrar em alguma das circunstâncias abaixo, veja o que deve ser feito para manter a segurança no trânsito.

Sono

Evite dirigir de madrugada ou após o almoço, horários em que o sono costuma aparecer. Durma bem antes de uma viagem e faça refeições leves. Se mesmo assim sentir sonolência, pare em um local seguro e descanse.

Café, ar frio, música alta e outros artifícios podem funcionar por alguns minutos, mas o efeito colateral é pior, pois o sono virá com mais força. Por isso, só os use em último caso para chegar até um ponto de parada.

Inexperiência

A pouca prática pode fazer o motorista cometer erros ao enfrentar as dificuldades do trânsito. Para evitá-los, o melhor é ir pegando experiência em trajetos curtos e conhecidos, acostumando-se aos comandos do carro e às relações com os outros usuários.

Cursos de direção defensiva e artigos sobre trânsito e boas práticas também são úteis para tornar a condução mais consciente.

Sob efeito de álcool, remédios ou drogas

Jamais dirija após consumir bebidas alcoólicas, seja a quantidade que for. Mesmo que você acredite estar bem, seu julgamento está prejudicado, assim como suas habilidades psicomotoras. O mesmo vale para drogas ilícitas.

Se estiver fazendo uso de remédios, observe a indicação na bula e converse com seu médico. Muitos medicamentos influenciam na capacidade de dirigir e operar máquinas.

Fadiga

Conduzir um automóvel exige esforço físico e mental. A fadiga pode retardar seus movimentos, causar câimbras e levar à sonolência. Portanto, se estiver cansado, prefira repousar antes de dirigir.

Para uma viagem de carro em segurança, posicione o banco de forma que, ao pisar nos pedais até o fim, as pernas fiquem levemente encurvadas e, com as mãos ao volante, os cotovelos fiquem ligeiramente dobrados.

Faça paradas a cada duas horas de viagem para esticar o corpo e descansar a mente. Essas atitudes evitam a fadiga durante o trajeto.

Tensão e estresse

O motorista estressado, preocupado ou irritado toma atitudes imprudentes e tem sua atenção prejudicada por problemas alheios à direção e ao trânsito. Nesse caso, não há o que fazer a não ser parar o carro e acalmar-se.

Além do tempo e do condutor, as vias também apresentam condições adversas que os motoristas precisam superar tomando cuidado para não piorar a situação. No próximo tópico falaremos sobre elas.

A direção defensiva em condições adversas da via

As vias podem apresentar uma série de desafios, tornando o trânsito mais perigoso. Por isso, é interessante buscar informações sobre o trajeto, as condições das pistas, os horários de maior movimento e eventuais dificuldades que possam ser encontradas, utilizando aplicativos como o Google Maps ou Maplink.

Também é importante estar preparado para lidar com as adversidades do trajeto, especialmente nas viagens. Confira abaixo algumas dicas para sair de situações de risco que podem surgir nas ruas e estradas.

Buracos e obstruções

Ao deparar-se com um trecho esburacado, diminua a velocidade observando o comportamento de quem vem atrás. Caso seja uma redução brusca, ficando com o carro praticamente parado, ligue o pisca-alerta até que o veículo seguinte perceba sua ação e também pare.

O mesmo vale para quando buracos ou outros obstáculos, como obras ou deslizamentos que bloqueiam uma faixa ou toda uma mão de direção. Sinalize a parada para o carro de trás e desligue o pisca-alerta. Depois, quando a faixa ou mão contrária estiver livre, use a seta para sinalizar sua intenção e olhe no retrovisor antes de sair da posição segura.

Detritos e sujeira

Ao avistar detritos ou sujeira na pista, reduza a velocidade e desvie dos objetos, por menor que sejam, sempre em movimentos suaves, atento aos retrovisores e sinalizando sua intenção quando precisar mudar de faixas. Caso a sujeira faça o carro derrapar, mantenha o controle do volante e não use o freio.

Rodovia de pista simples

Muita gente tem medo de pegar a estrada por conta dos trechos de pista simples, onde as ultrapassagens são mais difíceis. Mas há formas de manter a segurança mesmo nesses casos. A primeira coisa é jamais ultrapassar em áreas proibidas. Faça a manobra somente em locais permitidos e com o máximo de atenção.

Mantenha-se dentro da velocidade máxima estipulada, mesmo que haja um motorista apressado atrás de você. Se achar que ele pode representar um perigo, pare no acostamento, ligue o pisca-alerta e saia quando a via estiver livre.

À noite, utilize o farol alto somente em áreas sem iluminação e se não houver outro veículo à sua frente ou na direção contrária.

Falta de sinalização

Vias sem sinalização são perigosas, pois motoristas e pedestres podem ficar confusos. Nesse caso, mantenha-se sempre à direita da pista. As velocidades máximas para áreas sem sinalização estão previstas no artigo 61 do CTB.

Em cruzamentos, a preferencial é de quem vem pela direita, e nas rotatórias, de quem já está nela. Além disso, dê sempre preferência para o veículo menor ao seu e prioridade para o pedestre.

Travessia de pedestres ou animais

Nas rodovias, em trechos sinalizados de travessia de pedestres ou animais, reduza a velocidade e fique atento às movimentações nas margens da pista. Se precisar parar, ligue o pisca-alerta.

Nas cidades, dê sempre preferência ao pedestre nas faixas. Faça as conversões com cuidado, pois pessoas e animais atravessando têm prioridade.

Independentemente da situação no trânsito, a visibilidade é essencial para que o motorista consiga avaliar e agir corretamente ao volante. Mas condições adversas de luz podem dificultar sua visão e tornar a direção perigosa. Por isso, trataremos sobre elas no tópico seguinte. Não deixe de conferir!

A direção defensiva em condições adversas de luz

A iluminação artificial inadequada, seja das vias ou oriunda dos automóveis, pode ofuscar o motorista ou dificultar a visão da sinalização, de pedestres e outros veículos. Também, a própria luminosidade natural pode atrapalhar em certas situações.

Essas são as condições adversas de luz, que prejudicam a visibilidade, essencial para a segurança no trânsito. Por isso, veja como superá-las e manter o controle do veículo.

Entardecer ou amanhecer

Nos horários de transição da iluminação natural, o sol está baixo e a luz pode atingir o motorista de frente, ou refletir nos retrovisores. Além disso, é possível que os olhos demorem algum tempo para se acostumar. Por isso, deixe o farol baixo ligado para que os outros possam vê-lo melhor, e utilize óculos escuros e o quebra sol do veículo para minimizar os efeitos da luminosidade.

Túneis

Em túneis, a mudança rápida de iluminação ofusca a visão do condutor. Mantenha o farol baixo acionado e diminua a velocidade antes mesmo do início do túnel. Retire os óculos de sol ao entrar e só os coloque após sair.

À noite: falta de iluminação na via

Em vias não iluminadas à noite, o motorista pode fazer uso do farol alto para enxergar melhor a sinalização e seu caminho. No entanto, deve ser utilizado somente quando não houver carros na frente ou em sentido contrário. Também é preciso baixar o facho de luz ao cruzar com pedestres.

À noite: faróis de outros motoristas

Ao dirigir à noite, os faróis dos veículos em sentido contrário ou que estão logo atrás podem ofuscar sua visão, especialmente se o outro motorista estiver utilizando a luz alta ou com os fachos desregulados.

No caso de faróis na mão oposta, reduza a velocidade e mantenha o foco da vista mais à direita, guiando-se pelas faixas na pista, até que o veículo passe. Já para a iluminação dos carros vindos por trás, facilite a ultrapassagem. Se não for possível, regule o retrovisor para que a luz não prejudique sua visão até que ele possa ultrapassar você.

As condições adversas são problemas e eventualidades que podem aparecer nos trajetos e representar perigos para o trânsito. No entanto, colisões podem ocorrer, também, em situações normais de direção. Por isso, é importante tomar atitudes de prevenção. Falaremos sobre isso a seguir.

As 5 principais dicas para evitar colisões

As colisões ocorrem quando há uma batida entre veículos. Elas podem causar apenas prejuízos financeiros, mas são sempre uma situação perigosa, pois a energia gerada é transferida para os ocupantes. Por esse motivo, os casos de escoriações e até de óbitos em colisões não são raros.

Além disso, uma batida entre dois veículos pode causar um acidente maior, envolvendo outros usuários, e atrapalhar o trânsito da região.

Portanto, o melhor é se prevenir com atitudes conscientes e atenção redobrada. Confira abaixo 5 dicas para evitar se envolver em uma colisão.

  1. Mantenha a distância

distância de segurança é importante para dar tempo para uma reação e espaço para a frenagem caso ocorra algum imprevisto.

Utilize sempre a regra dos dois segundos. Espere o carro da frente passar por um ponto fixo na via e conte dois segundos. Vá diminuindo a velocidade até chegar a essa distância. Em condições adversas, como chuva e neblina, ou estando atrás de veículos longos ou motocicletas, aumente o tempo para três segundos.

  1. Respeite os limites de velocidade

Os limites de velocidade são estipulados considerando as condições da pista e do tempo, a sinalização e o volume de tráfego. Por isso, mantenha-se sempre abaixo da velocidade máxima permitida, dando passagem para os mais apressados. Ultrapasse somente pela esquerda, em locais permitidos e após garantir a segurança da manobra.

  1. Sinalize suas ações

Utilize as setas para sinalizar a intenção de realizar conversões, de encostar o carro ou fazer ultrapassagens. Também é importante saber usar o pisca-alerta nos momentos certos, de parada brusca ou em emergências, especialmente se ficar com o carro quebrado na estrada, onde as velocidades são mais altas.

 

  1. Utilize o retrovisor corretamente

Esteja sempre atento à movimentação dos veículos que vêm de trás. Para ter uma visão abrangente da via e evitar os pontos cegos, ajuste os retrovisores laterais de modo que mais de 90% de cada espelho reflita o entorno e seu carro apareça em apenas uma mínima parte dele. Já o retrovisor central deve dar a visão completa do vidro traseiro.

  1. Tenha calma

Priorize sempre sua segurança mantendo a calma no trânsito. Como já foi dito, o estresse, a pressa e a irritação levam a atitudes impensadas, a excesso de velocidade e imprudência, receita para uma colisão. Portanto, respire fundo e tenha foco no trânsito. Se precisar, pare para se acalmar.

direção defensiva é a maneira mais eficiente de evitar acidentes de trânsito. Ao conduzir com cautela e atenção, o motorista reduz os riscos de criar uma situação de perigo. Além disso, fica preparado para escapar de incidentes provocados por outros usuários da via ou por condições adversas encontradas no trajeto.

Este post foi útil para você? Se quer saber mais sobre como pegar a estrada com tranquilidade, aproveite para conhecer os 5 passos para planejar uma viagem sem dor de cabeça!

Economize tempo e dinheiro alugando um carro em suas viagens.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *